Pular para o conteúdo principal

CORRER COM PÉS DESCALÇOS PODE CAUSAR NOVAS LESÕES ÓSSEAS

 
Correr com pés descalços pode
causar novas lesões

Quando o doutor Douglas Brown, um radiologista de Orem, em Utah, notou um recente aumento no número de corredores descalços que ele atendia com problemas no calcanhar e no pé, ele se perguntou se poderia haver uma conexão entre o treinamento descalço e pés feridos. Mas ele não conseguiu encontrar estudos científicos que tivessem analisado o caso.
Então ele procurou Sarah Ridge, professora de ciência na Universidade Brigham Young em Provo, em Utah, que estuda lesões de impacto nos esportes, e sugeriu que ela fizesse um.
O estudo resultante, publicado em "Medicine & Science in Sports & Exercise", provavelmente vai adicionar combustível ao debate sobre os benefícios de se correr descalço ou usar calçados "minimalistas". O estilo "descalço" reduz o risco de dor e ferimentos de um corredor (como acreditam os entusiastas)? Ou correr descalço simplesmente contribui para o desenvolvimento de um conjunto diferente de lesões em alguns corredores?
Para descobrir, a doutora Ridge começou recrutando 36 corredores experientes, homens e mulheres que até então tinham corrido entre 25 e 50 quilômetros por semana usando calçados de corrida normais.
Ela os enviou ao doutor Brown para exames de ressonância magnética (MRI) dos pés e da parte inferior das pernas, para verificar quaisquer ferimentos ou problemas.
Os que acreditam na corrida com pés descalços muitas vezes alegam que os seres humanos correram e caminharam sem sapatos durante milênios antes que os calçados fossem inventados. Eles afirmam que estar descalço é normal para os seres humanos e deveria reverter antigos ferimentos relacionados aos tênis de corrida modernos e evitar futuros.
Mas evidências casuais de médicos que tratam corredores indicam que algumas pessoas que adotam a corrida com pés descalços desenvolveram dores e lesões totalmente novas.
Todos os voluntários da doutora Ridge iniciaram o estudo com pés e pernas normais, segundo seus exames de MRI, que foram analisados por diversos radiologistas.
Metade do grupo foi escolhida de modo aleatório para continuar correndo como antes: a mesma distância e os mesmos calçados. Os outros corredores receberam um par de calçados de estilo descalço Vibram Five Fingers. Os pesquisadores pediram a eles que aumentassem gradativamente a distância de sua corrida.
Depois de dez semanas, os dois grupos de corredores passaram por mais um exame de MRI. Não havia evidências de ferimentos ou alterações nos tecidos da perna, como o tendão de Aquiles, em qualquer dos corredores. Mas mais da metade dos que usaram os sapatos minimalistas demonstraram sinais precoces de lesões ósseas nos pés.
Dois deles tinham até fraturas de estresse, uma no calcanhar e outro no metatarso, um dos ossos mais longos dos pés.
Quase todos os corredores do grupo minimalista estavam espontaneamente correndo menos quilômetros no final das dez semanas do que corriam no início, "provavelmente porque seus pés doíam", disse a doutora Ridge.
Não está claro por que alguns corredores do estilo descalço desenvolveram sérios problemas nos pés e outros não, mas a doutora Ridge está analisando dados adicionais sobre os voluntários da pesquisa.
"O que esperamos descobrir é se há corredores que, por causa de sua biomecânica e de outros fatores, parecem especialmente predispostos a lesões em corridas de estilo descalço."
Os resultados não significam que todas as pessoas que decidam mudar para calçados minimalistas ou correr descalças vão sofrer lesões nos pés, disse Ridge. "Mas eu diria a qualquer um que deseja abandonar os calçados normais que seja extremamente cauteloso durante o período de transição."


Por GRETCHEN REYNOLDS


Fonte:http://www1.folha.uol.com.br/fsp/newyorktimes/103906-correr-com-pes-descalcos-pode-causar-novas-lesoes.shtml

Postagens mais visitadas deste blog

LUTEÍNA COMBATE MANCHAS E FOTOENVELHECIMENTO DA PELE

A luteína - antioxidante natural que reduz os efeitos dos radicais livres - proporciona um efeito fotoprotetor contra a radiação solar e artificial, além de aumentar significativamente a hidratação e a elasticidade da peleFoto: Shutterstock
Luteína combate manchas e fotoenvelhecimento da pele
Estudos já comprovaram que a luz emitida por computadores, televisores e lâmpadas fluorescentes pode causar manchas na pele, assim como os raios ultravioleta (UVA e UVB). Mas, o que pouca gente sabe é que a luteína - antioxidante natural que reduz os efeitos dos radicais livres - pode proporcionar um efeito fotoprotetor contra todas essas radiações, além de aumentar significativamente a hidratação e a elasticidade da pele. Os benefícios desse ativo para a cútis começaram a ser valorizados há cerca de cinco anos quando a revista científica americana Skin Pharmacology and Physiology divulgou um estudo que apontou a luteína como uma poderosa arma antioxidante contra o fotoenvelhecimento cutâneo, causad…

UC-II - COLÁGENO NÃO DESNATURADO,O QUE É ? - FANTÁSTICO SUPLEMENTO DERIVADO DA CARTILAGEM DO FRANGO

UC-II COLAGENO NÃO DESNATURADO DUAS VEZES MAIS ATIVO DO QUE CONDROITINA + GLUCOSAMINA A cartilagem é um dos tecidos conjuntivos primários do corpo, proporcionando flexibilidade e suporte para as articulações ósseas. O colageno tipo II não desnaturado, é a principal proteína estrutural na cartilagem que é responsável pela sua resistência à tração e firmeza. Derivado de cartilagem de frango, UC-II® consiste em colágeno tipo II não desnaturado que age juntamente com o sistema imunológico para manter as articulações saudáveis e promover a mobilidade e flexibilidade das articulações. UC-II® tem sua composição patenteada, e demonstrou a sua eficácia em estudos clínicos em humanos. Descrição O colágeno é uma proteína fibrosa presente na pele, tendões, ossos, dentes, vasos sangüíneos, intestinos e cartilagens, correspondendo a 30% da proteína total e a 6% em peso do corpo humano. Também é encontrada em diversos tecidos de animais. UC-II® é um colágeno do tipo II, não-desnaturado, derivado da cartil…

PROCAÍNA,A SENSAÇÃO CONTRA VELHICE

Um novo tratamento contra o envelhecimento está se tornando uma sensação no Brasil. Embora sua aplicação com essa finalidade não seja tão recente, a procaína benzóica estabilizada ganhou força na mídia, e hoje já é utilizada principalmente pelas classes sociais mais abastadas. Além de retardar o envelhecimento, o GH3, nome comercial da procaína, promete equilíbrio nos sistemas corporais, melhora na circulação sangüínea e combate à depressão. O geriatra e ortomolecular Eduardo Gomes e Azevedo trabalha com o GH3 há 27 anos, sendo inclusive usuário do medicamento. Ele alertou que o medicamento não faz milagres, apenas tem eficácia se utilizado num tratamento multidisciplinar. Azevedo contou que, no GH3, a procaína é somada ao metabissulfito de potássio, fosfato bissódico e ácido benzóico, diferente da procaína utilizada como anestésico. "Quando no organismo, a procaína benzóica se metaboliza, transformando-se no ácido para-amino-benzóico e no dietil-etanol-amino. Esses elementos são …