Pular para o conteúdo principal

CIENTISTAS DESCOBREM MECANISMO QUE EXPLICA "CURA ESPONTÂNEA" DO HIV

Cientistas descobrem casos de "cura espontânea" do HIV (Foto: Reprodução)
Cientistas descobrem mecanismo que explica “cura espontânea” do HIV
Trabalho de pesquisadores franceses pode abrir portas no tratamento da AIDS
Cientistas franceses descobriram um mecanismo genético em dois homens infectados com o vírus HIV capaz de servir como “cura espontânea” contra a AIDS. Um dos pacientes carregava o vírus há mais de 30 anos, enquanto o mais jovem há três. Segundo os pesquisadores, o patógeno causador da AIDS permaneceu inativo nas células de imunidade por uma mudança no código genético.
A evolução parece estar relacionada ao crescimento de uma enzima comum chamada APOBEC. Em declaração oficial, a “aparentemente espontânea cura abre uma avenida interessante para os engenheiros farmacêuticos”. Os cientistas também complementaram na publicação: “Estimular essa enzima pode ser uma alternativa para os novos infectados. Eles podem ter uma chance de se curarem espontaneamente”.

Publicado no jornal Clinical Microbiology and Infection, o trabalho foi conduzido por cientistas do France's Institute of Health and Medical Research. O projeto explica que normalmente o HIV se replica nas células CD4 de imunidade, depois reprogramando para causar os males da doença. Contudo, existe um raro grupo (menos de 1% dos infectados) que naturalmente consegue segurar a replicação e manter o vírus indetectável em níveis clínicos.

Essas pessoas são conhecidas como “controladores de elite” e o mecanismo envolvido ainda permanece como mistério para o mundo da ciência. Para a pesquisa, a equipe de cientistas procurava pessoas com essa característica. Foi aí que acharam um homem de 57 anos, diagnosticado soropositivo em 1985, e um garoto de 23 anos, diagnosticado em 2011.

Apesar de continuarem com o vírus, testes comuns não conseguiram detectar sua presença. Nesse momento, os médicos descobriram que em ambos os casos o HIV não conseguia se replicar devido às mutações nos seus códigos genéticos. Os pesquisadores sugerem que essa é uma evolução espontânea entre humanos e o vírus: “Esse é um processo conhecido como endogenização. Talvez isso tenha neutralizado o vírus em humanos do passado. Nós propomos que a cura do HIV talvez ocorra da endogenização do HIV nos humanos”.

“Essas descobertas sugerem que depois de milhões de mortes, é provável que alguns indivíduos tenham conseguido endogenizar e neutralizar o vírus para transmitir aos seus descendentes”, completa a declaração.

Para os pesquisadores, esse não é um fenômeno único. Os cientistas acreditam que um “sequenciamento massivo” do DNA humano – particularmente de africanos, que foram expostos ao HIV por mais tempo – pode ser o caminho. “Nós acreditamos que persistir no DNA do HIV pode levar à cura”, conclui o estudo.
Fonte:http://revistagalileu.globo.com/Ciencia/noticia/2014/11/
Cientistas descobrem casos de "cura espontânea" do HIV (Foto: Reprodução)

Postagens mais visitadas deste blog

LUTEÍNA COMBATE MANCHAS E FOTOENVELHECIMENTO DA PELE

A luteína - antioxidante natural que reduz os efeitos dos radicais livres - proporciona um efeito fotoprotetor contra a radiação solar e artificial, além de aumentar significativamente a hidratação e a elasticidade da peleFoto: Shutterstock
Luteína combate manchas e fotoenvelhecimento da pele
Estudos já comprovaram que a luz emitida por computadores, televisores e lâmpadas fluorescentes pode causar manchas na pele, assim como os raios ultravioleta (UVA e UVB). Mas, o que pouca gente sabe é que a luteína - antioxidante natural que reduz os efeitos dos radicais livres - pode proporcionar um efeito fotoprotetor contra todas essas radiações, além de aumentar significativamente a hidratação e a elasticidade da pele. Os benefícios desse ativo para a cútis começaram a ser valorizados há cerca de cinco anos quando a revista científica americana Skin Pharmacology and Physiology divulgou um estudo que apontou a luteína como uma poderosa arma antioxidante contra o fotoenvelhecimento cutâneo, causad…

UC-II - COLÁGENO NÃO DESNATURADO,O QUE É ? - FANTÁSTICO SUPLEMENTO DERIVADO DA CARTILAGEM DO FRANGO

UC-II COLAGENO NÃO DESNATURADO DUAS VEZES MAIS ATIVO DO QUE CONDROITINA + GLUCOSAMINA A cartilagem é um dos tecidos conjuntivos primários do corpo, proporcionando flexibilidade e suporte para as articulações ósseas. O colageno tipo II não desnaturado, é a principal proteína estrutural na cartilagem que é responsável pela sua resistência à tração e firmeza. Derivado de cartilagem de frango, UC-II® consiste em colágeno tipo II não desnaturado que age juntamente com o sistema imunológico para manter as articulações saudáveis e promover a mobilidade e flexibilidade das articulações. UC-II® tem sua composição patenteada, e demonstrou a sua eficácia em estudos clínicos em humanos. Descrição O colágeno é uma proteína fibrosa presente na pele, tendões, ossos, dentes, vasos sangüíneos, intestinos e cartilagens, correspondendo a 30% da proteína total e a 6% em peso do corpo humano. Também é encontrada em diversos tecidos de animais. UC-II® é um colágeno do tipo II, não-desnaturado, derivado da cartil…

PROCAÍNA,A SENSAÇÃO CONTRA VELHICE

Um novo tratamento contra o envelhecimento está se tornando uma sensação no Brasil. Embora sua aplicação com essa finalidade não seja tão recente, a procaína benzóica estabilizada ganhou força na mídia, e hoje já é utilizada principalmente pelas classes sociais mais abastadas. Além de retardar o envelhecimento, o GH3, nome comercial da procaína, promete equilíbrio nos sistemas corporais, melhora na circulação sangüínea e combate à depressão. O geriatra e ortomolecular Eduardo Gomes e Azevedo trabalha com o GH3 há 27 anos, sendo inclusive usuário do medicamento. Ele alertou que o medicamento não faz milagres, apenas tem eficácia se utilizado num tratamento multidisciplinar. Azevedo contou que, no GH3, a procaína é somada ao metabissulfito de potássio, fosfato bissódico e ácido benzóico, diferente da procaína utilizada como anestésico. "Quando no organismo, a procaína benzóica se metaboliza, transformando-se no ácido para-amino-benzóico e no dietil-etanol-amino. Esses elementos são …