QUANDO É NECESSÁRIO O SUPLEMENTO ALIMENTAR E AS VITAMINAS ?



É preciso ter muita atenção ao usar suplementos alimentares, eles interagem com outros medicamentos podendo influenciar no tratamento. Cosulte seu médico. Foto: Fabio Mangabeira.

QUANDO É NECESSÁRIO O SUPLEMENTO ALIMENTAR?

Publicado em 18 de Apr de 2013 por Leticia Maciel/ Fotos: Fábio Mangabeira

As famosas cápsulas coloridas que ajudam a complementar a alimentação podem prejudicar a saúde quando consumidas de forma errada. Veja qual é a melhor forma de consumir o suplemento alimentar que você precisa.


Para quem come alimentos industrializados, pratos semi-prontos e outros alimentos ricos em sódio, além de ter quilos extras ao subir na balança pode ter alguns problemas por não ingerir a quantidade certa de nutrientes, entre elas as vitaminas e minerais que são essenciais para o bom funcionamento do organismo. "Em tese, é perfeitamente possível obter todos os nutrientes de que precisamos da alimentação, desde que sejamos disciplinados o suficiente para seguir uma dieta rigorosamente balanceada. Além disso, teremos que contar com a capacidade do corpo de absorver bem todos os nutrientes ingeridos, para zerar todas as nossas necessidades. Só que, na prática clínica, essa não é a realidade da maioria", atesta o médico ortomolecular e cardiologista Edmar Santos. "Para garantir uma boa ingestão de vitaminas e mirerais, é fundamental consumir muitas frutasfolhas legumes, além de carboidratos integraos. Porém, atualmete, o consumo desses alimentos vem caindo muito" complementa a nutricionista Ana Maria Martins, diretora da Nutricius Nutrição Esportiva e Qualidade de Vida (SP).

Quando faltam vitaminas

A consequência da má alimentação não tarda a aparecer: um cansaço sem razão de ser, queda acentuada de cabelosunhas fracas, entre outros sinais da carência. "Os problemas que decorrem podem provocar desde sintomas leves até comprometimentos graves. É comum por exemplo aparecerem complicações dermatológicas, neurológicas, problemas relacionados à imunidade, perdas ósseas importantes e aneminas. Mas o quadro pode variar muito dependendo do nutriente que falta no organismo" explica o endocrinologista Alfredo Halpern, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).E é nesse momento que entram em cena os tão populares suplementos alimentares. “Eles estão muito bem indicados quando a alimentação do paciente não é capaz de suprir as necessidades individuais ou se a deficiência vitamínica já foi diagnosticada clínica ou laboratorialmente”, garante anutricionista Glauce Lamoglie de Carvalho, do Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas de São Paulo.e idosos apresentam maior suscetibilidade a apresentar deficiências de vitaminas e minerais. “Há momentos em que a alimentação não é o bastante e, assim, o uso de suplementos é benéfico e recomendadpela American Dietetic Association (ADA), para que as necessidades nutricionais do indivíduo possam ser atendidas e para prevenir complicações secundárias”, diz Glauce.

Consuma na dose certa

Os suplementos só passam a oferecer um risco real quando são usados de forma indiscriminada, sem o acompanhamento de um médico ou nutricionista. Isso porque, ao consumir algo de que o corpo não precisa, corremos o risco de acumular esses nutrientes em nosso organismo. E nem todo o excesso é excretado pela urina. “O grande perigo são as vitaminas lipossolúveis, que acabam ficando armazenadas nos nossos órgãos, sobrecarregando-os. Estamos falando das vitaminas A, D, E e K”, alerta a nutricionista Claudia M. Santos, da Associação Brasileira de Nutrição. Para outra especialista, a nutricionista Mariana Del Bosco, ligada à Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO), o consumo de minerais e de vitaminas hidrossolúveis, como é o caso da vitamina C, sem prescrição médica, também inspira cuidados. “Tudo o que ingerimos além das nossas necessidades nos traz problemas. Para se ter uma ideia, nossa necessidade de vitamina C é de aproximadamente 500 mg por dia. Se consumimos uma quantidade diária que fica muito acima disso, certamente acabaremos afetando o equilíbrio do organismo, atrapalhando na absorção de outros nutrientes, por exemplo. Isso porque os diversos nutrientes que consumimos interagem entre si”, explica.

Quando consumidas em excesso e sem orientação médica,
as vitaminas lipossolúveis podem sobrecarregar órgãos.
Foto: Fabio Mangabeira.
Interação com outros remédios

A nutricionista Camila Próspero, especialista em fisiologia do exercício, dá exemplos de possíveis interações que podem causar efeitos adversos no momento da absorção, afetando o metabolismo do nutrientes. “Quando é feita a suplementação de cálcio e o medicamento é tomado próximo do horário das refeições, por desinformação do paciente, aumentam os riscos de anemia, já que o cálcio atrapalha a absorção do ferro. A suplementação inadequada com ferro também pode bloquear o transporte e a distribuição do zinco no organismo”, afirma. Para piorar, os suplementos vitamínicos e de minerais também interagem com outros tipos de medicamentos e podem influenciar no tratamento de doenças crônicas. “Com a vitamina C: ela melhora a absorção de drogas ácidas, como a aspirina. Por outro lado, reduz a biodisponibilidade de algumas drogas básicas, como as anfetaminas. Além disso, a suplementação contínua com vitamina C pode interferir nos resultados de glicose sanguínea, difi cultando o controle da glicemia pelos diabéticos”, finaliza Camila. “Antes de tomar qualquer suplemento vitamínico ou mineral, é fundamental procurar produtos aprovados pela Anvisa, que é o órgão regulador ligado ao Ministério da Saúde”, indica a nutricionista Claudia M. Santos, da Associação Brasileira de Nutrição.

BENEFÍCIOS DAS VITAMINAS



VITAMINA A

O que faz: desempenha papel essencial na visão, no crescimento e desenvolvimento dos ossos e no fortalecimento da imunidade. Também apresenta uma boa ação antioxidante.

Falta: pode acarretar difi culdade de visão noturna, graves lesões oculares e, em casos agudos, cegueira permanente. Um consumo muito baixo dessa vitamina pode aumentar também a possibilidade de contrair doenças, principalmente infecções.

O excesso: “Podem surgir sintomas como pele seca, fissuras nos lábios, dores nos ossos, tonturas, queda de cabelos, cãibras, lesões de fígado, além de cansaço”, alerta a nutricionista Glauce Carvalho.

Onde encontrar: gema de ovo, cenoura, abóbora e manga

VITAMINA C

O que ela faz: é responsável pela síntese de colágeno, além de participar da produção dos hormônios adrenais, da carnitina e de alguns neurotransmissores. Também ficou bastante conhecida por seu poder de neutralizar os temidos radicais livres.

A falta: a deficiência prolongada pode causar o escorbuto, cujos sintomas são sangramento das gengivas e a inflamação das articulações.

O excesso: a elevada ingestão de vitamina C pode prejudicar a formação de colágeno.

Onde encontrar: frutas cítricas, como laranja, acerola, limão, maracujá e morango

CÁLCIO

O que ele faz: é parte constituinte do osso e, portanto, sua ingestão é fundamental para manter ossos e dentes saudáveis. “O cálcio também regula a ação de vários hormônios, é responsável pela contração muscular e pela ação dos neurotransmissores. Como se não bastasse, participa do processo de coagulação sanguínea”, lembra Fernanda Granja.

A falta: quando não há cálcio circulante, o organismo retira o que precisa dos ossos — que funcionam como verdadeiros reservatórios desse nutriente — provocando a osteoporose.

O excesso: o excesso de cálcio provoca dores nas articulações, formação de pedra nos rins e até insufi ciência renal.

Onde encontrar: leite, queijos,iogurte, sardinha em conserva e couve

FERRO

O que ele faz: o mineral é essencial para a formação da hemoglobina no sangue, uma proteína cuja função é transportar oxigênio para o corpo todo.
A falta: pode provocar anemia ferropriva. Os sintomas são fraqueza, palidez, tontura, irritação, cansaço, falta de ar e falta de apetite devido ao comprometimento de transporte de oxigênio aos tecidos. A carência pode desequilibrar o sistema imunológico.

O excesso: aumenta a quantidade de radicais livres no organismo, acelerando o processo de envelhecimento e causando danos ao DNA. Também pode levar a alterações no tamanho do fígado, desenvolvimento de diabetes e complicações cardíacas fatais.


Onde encontrar: fígado, carnes, feijão, lentilha e gema de ovo

VITAMINAS DO COMPLEXO B

O que elas fazem: ajudam a manter a saúde dos nervos, da pele, dos olhos, dos cabelos, do fígado e da boca. Mantêm a tonicidade muscular do sistema gastrointestinal e atuam no metabolismo energético. “Estudos recentes vêm mostrando que essas vitaminas também podem trazer benefícios aos pacientes com quadros de depressão e ansiedade”, diz Fernanda Granja.

A falta: a deficiência crônica pode acarretar problemas neurológicos (psicose), dermatites, anemia e elevados níveis de homocisteína no sangue (indicador de risco cardiovascular).

O excesso: podem ocorrer quadros de diarreia e intoxicações neurológicas, com sintomas como formigamentos nas mãos.

Onde encontrar: aveia, arroz integral, centeio, brócolis e rúcula

MAGNÉSIO

O que ele faz: participa de várias reações enzimáticas, anabólicas e catabólicas (em que ocorre liberação de energia) do organismo, infl uenciando o metabolismo. Previne cefaleias, cãibras, dores musculares e estresse. Ajuda também na absorção do cálcio, permitindo a manutenção da saúde dos ossos e dentes.

BETACAROTENO


O que ela faz: é considerado um importante antioxidante, capaz de retardar o envelhecimento precoce, além de ser essencial na manutenção da visão, da pele e do sistema imune.

A falta: a deficiência pode acarretar em problemas de visão e de pele.

O excesso: quando consumido em altas quantidades, pode se acumular nos tecidos e ocasionar queda de cabelo, fragilidade das unhas e dores de cabeça. Atenção às gestantes, pois o excesso é capaz de provocar má-formação fetal.

Onde encontrar: vegetais amarelos e laranja, como cenoura, beterraba, mamão, manga e batata doce


A falta: na falta do mineral, podem aparecer sintomas como formigamento, tremor, espasmo muscular, náuseas e vômitos. Em casos mais graves, o risco é danifi car tecidos cardiovasculares, renais e neuromusculares.

O excesso:atrapalha a absorção e o consequente aproveitamento do cálcio pelo organismo. Também pode baixar a pressão e ocasionar problemas respiratórios.

Onde encontrar: semente de abóbora, abacate, beterraba, farelo de aveia e arroz integral

COMO USAR OS MULTIVITAMÍNICOS

Publicado em 20 de Mar de 2013 por Leticia MacielPara evitar carências ou excesso de nutrientes, é necessário contar com a ajuda médica ou 
nutricionista. Foto: Divulgação.
A correria da vida moderna é um empecilho e tanto à alimentação saudável. Então recorremos asuplementos alimentares“Em geral, uma alimentação saudável supre todas as nossas necessidadesdiárias de vitaminas. Quando por algum motivo, a quantidade necessária não pode ser obtida, a suplementação é benéfica”, afirma Nelson Lucif Jr., médico nutrólogo da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

Os casos especiais

Há situações em que a dieta é equilibrada, mas o organismo não dá conta de absorver o que lhe está sendo oferecido. Um exemplo é a ingestão de vitamina B12 por parte dos idosos. Presente em carnes e derivados de leite, a sua falta poderá levar a problemas neurológicos e também à anemia megaloblástica, problema em que a medula óssea não produz glóbulos vermelhos de qualidade. “Nesses casos, a conduta necessária é aumentar a dosagem do nutriente para compensar as deficiências do organismo. Mas é preciso ter cautela. O objetivo é evitar sobre-doses. Daí o fundamental auxílio especializado que se resume no acompanhamento nutricional”, destaca Nathércia Percegoni, coordenadora do curso de Nutrição do Centro Universitário Celso Lisboa (UCL-RJ).

Na mira da dieta

Mas os polivitamínicos suprem as necessidades diárias? A resposta é: depende da vitamina e do mineral! Como o próprio nome sugere, os suplementos visam a complementar uma alimentação jábalanceada, e não suprir todos os nutrientesCálciomagnésio vitamina D, por exemplo, nem sempre são fornecidos em sua totalidade. Para atingir as demandas diárias, o jeito é turbinar o prato com alguns alimentos fontes destes nutrientes, respectivamente, leitecastanhas peixes de água salgada. Princípio oposto acontece com a vitamina C, que é suprida em 100% pelas cápsulas. Mas nem por isso é indicado deixar de comer frutas saladas nas refeições.

Você precisa de quê?

Para evitar carências ou excesso de nutrientes, é fundamental contar com a ajuda de um médico ou nutricionista. A orientação profissional também é importante porque certos minerais concorrem entre si. É o caso do cálcio, que tende a atrapalhar a absorção do ferro. “A função do especialista será calcular a dosagem e a administração do produto”, justifica Nathércia.
A falta de vitamina B12 no organismo de idosos, é necessário o uso de polivitamínicos. Foto: Danilo Tanaka.

Dosagem na medida certa

ingestão excessiva de vitaminas e minerais pode causarintoxicaçãosobrecarga renal ehepática. No caso específico do ferro, há risco de síndrome metabólica, que pode levar àobesidade hipertensão. Entretanto, a dose recomendada pelos fabricantes – de um a dois comprimidos diários – é segura. Mas isso não significa que seu consumo no dia a dia seja consenso entre os médicos. “A discussão não é sobre suascontraindicações, mas se há, realmente, uma indicação. Caso haja a deficiência específica de um nutriente, esta poderá ser equilibrada em três meses”, argumenta Henrique Suplicy, endocrinologista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

Risco mínimo de alergia

Vitaminas não provocam alergia, mas há substâncias químicas utilizadas em seu preparo ou acondicionamento quem podem ter potencial alergênico. “Cápsulas de origem animal causavam mais reações alérgicas. Hoje, a maioria dos produtos possui cápsulas vegetais, o que reduz a incidência”, esclarece Nathércia.

Diferentes, mas nem tanto 

Não há diferenças significativas entre os polivitamínicos na forma líquida, em comprimido oumastigável. Entretanto, dependendo do paciente, sua apresentação pode facilitar o consumo. As versões líquidas, por exemplo, são indicadas para crianças idosos. Já quando o assunto são as marcas dos produtos, há diferenças de conteúdo. A dica é sempre checar quais nutrientes cada uma oferece e sua porcentagem. “O produto escolhido deve, preferencialmente, fornecer todas as vitaminas necessárias”, ensina Lucif Jr.

Polivitamínicos infantis

Crianças abaixo dos 12 anos necessitam de quantidades diferenciadas de vitaminas, por isso, polivitamínicos infantis possuem dosagens menores. Esses produtos ainda trazem diferentes tipos deaminoácidos, indicados para a formação de tecidos e para o aumento das defesas do organismo. Entretanto, os especialistas recomendam que seu consumo seja por um curto período. E atenção: a sua dosagem e a administração devem ser sempre acompanhadas por um pediatra ou profissional da nutrição.Prevenir é a ordem!
Fonte:http://revistavivasaude.uol.com.br/clinica-geral/como-usar-os-multivitaminicos/169/

Postagens mais visitadas deste blog

LUTEÍNA COMBATE MANCHAS E FOTOENVELHECIMENTO DA PELE

UC-II - COLÁGENO NÃO DESNATURADO,O QUE É ? - FANTÁSTICO SUPLEMENTO DERIVADO DA CARTILAGEM DO FRANGO

DIETA DETOX PARA MELHORAR MUITO PELE E CABELOS