Pular para o conteúdo principal

APRENDIZAGEM NA VELHICE : AS MÚLTIPLAS FACES DA MEMÓRIA

Aprendizagem na velhice: as múltiplas faces da memória

Esquecer o que se aprendeu ou mesmo perder a capacidade de aprender coisas novas está longe de ser natural. Podemos perfeitamente chegar aos 100 anos lúcidos e capazes de consumir, produzir e transmitir conhecimentos. Por muito tempo prevaleceu a ideia que só se aprende enquanto jovem, como se o declínio cognitivo fosse natural a partir dos 30 anos.
“Falar do desenvolvimento cognitivo e aprendizagem ao longo da vida implica falar do que é a aprendizagem, do que esta pressupõe quando acontece, de quais são as determinantes da aprendizagem e em certa medida como estas se relacionam com o desenvolvimento cognitivo.
Ao falar-se de desenvolvimento cognitivo, fala-se, antes de mais, dos aspetos internos e externos da pessoa, da ideia de inato e de adquirido, para depois os interrelacionar com a maturação e o seu processo do desenvolvimento vital.
Esta temática está também fortemente implicada com a memória e suas múltiplas facetas. Fala-se de memória implícita e explícita. De atividades automáticas e de atividades deliberadas, todas elas sujeitas a um período de aprendizagem e posterior ‘arrumação’ cerebral. Outras implicam processos procedimentais e são essas que nos permitem conduzir um carro e ouvir uma música agradável e estar simultaneamente a respeitar as regras de trânsito sem perder o objetivo de chegada e reconhecendo sem dificuldade a aproximação da meta.
Progressivamente fomos aprendendo e desenvolvendo o conhecimento que nos permite reconhecer uma aprendizagem por observação, por memorização, a partir de exemplos ou por analogia. Esta última pressupondo já uma certa maturação, um estádio de desenvolvimento considerado, que nos ajuda a que, a partir de informações acessíveis possamos fazer deduções.
Por sua vez estas deduções vão cooperar para o processo decisório que nos permitirá desenvolver e crescer como pessoas.
Pode dizer-se que há uma arquitetura cognitiva que possui determinados alicerces e que os seus processos, tal como no caso dos edifícios, respeitam a hierarquia do seu posicionamento e as resoluções de cada tarefa ou função, não se misturam nem se atropelam dando-nos a ideia de um todo harmonioso que se articula para que nos desenvolvamos enquanto seres pensantes.
Todavia, a existência de plasticidade neuronal tem um papel fundamental na construção de redes que permitem a criação de novas oportunidades de aprendizagem, como aliás tem a própria estrutura da personalidade, a vivência dos afetos, as condições de interação, as idades envolvidas, a saúde global da pessoa, e a riqueza ou precariedade do contexto onde tudo acontece.”
Assim os coordenadores do livro Gerontologia e Transdisciplinaridade I abrem o capítulo 8 – Desenvolvimento Cognitivo e Aprendizagem Ao Longo da Vida –, de Manuela Leite, [Braga, Portugal]. A autora afirma que “por muito tempo prevaleceu a ideia que só se aprende enquanto jovem, como se o declínio cognitivo fosse natural a partir dos 30 anos”.
Esquecer o que se aprendeu ou mesmo perder a capacidade de aprender coisas novas está longe de ser natural. Podemos perfeitamente chegar aos 100 anos lúcidos e capazes de consumir, produzir e transmitir conhecimentos, é o que diz a autora:
“O cérebro é um órgão que à semelhança de todos os outros está sujeito às alterações decorrentes do processo de envelhecimento que se inicia por volta dos 30 anos. São observáveis alterações na substância branca e cinzenta. Não obstante, verificam-se que estas alterações não ocorrem igualmente em todos os indivíduos dentro de uma faixa etária, sendo mais evidentes em idosos com uma baixa performance cognitiva. Numa tentativa de compreender as diferenças intraindividuais e, por conseguinte, o envelhecimento cerebral, têm surgido algumas teorias, sendo o modelo HAROLD de Cabeza (2002) um dos mais populares. Este representa acima de tudo um mecanismo compensatório que tem como principal objetivo diminuir o impacto ao nível dos processos cognitivos produzido pelas alterações cerebrais…”
Fonte:http://www.portaldoenvelhecimento.com.br/aprendizagem-na-velhice-as-multiplas-faces-da-memoria/

Postagens mais visitadas deste blog

LUTEÍNA COMBATE MANCHAS E FOTOENVELHECIMENTO DA PELE

A luteína - antioxidante natural que reduz os efeitos dos radicais livres - proporciona um efeito fotoprotetor contra a radiação solar e artificial, além de aumentar significativamente a hidratação e a elasticidade da peleFoto: Shutterstock
Luteína combate manchas e fotoenvelhecimento da pele
Estudos já comprovaram que a luz emitida por computadores, televisores e lâmpadas fluorescentes pode causar manchas na pele, assim como os raios ultravioleta (UVA e UVB). Mas, o que pouca gente sabe é que a luteína - antioxidante natural que reduz os efeitos dos radicais livres - pode proporcionar um efeito fotoprotetor contra todas essas radiações, além de aumentar significativamente a hidratação e a elasticidade da pele. Os benefícios desse ativo para a cútis começaram a ser valorizados há cerca de cinco anos quando a revista científica americana Skin Pharmacology and Physiology divulgou um estudo que apontou a luteína como uma poderosa arma antioxidante contra o fotoenvelhecimento cutâneo, causad…

UC-II - COLÁGENO NÃO DESNATURADO,O QUE É ? - FANTÁSTICO SUPLEMENTO DERIVADO DA CARTILAGEM DO FRANGO

UC-II COLAGENO NÃO DESNATURADO DUAS VEZES MAIS ATIVO DO QUE CONDROITINA + GLUCOSAMINA A cartilagem é um dos tecidos conjuntivos primários do corpo, proporcionando flexibilidade e suporte para as articulações ósseas. O colageno tipo II não desnaturado, é a principal proteína estrutural na cartilagem que é responsável pela sua resistência à tração e firmeza. Derivado de cartilagem de frango, UC-II® consiste em colágeno tipo II não desnaturado que age juntamente com o sistema imunológico para manter as articulações saudáveis e promover a mobilidade e flexibilidade das articulações. UC-II® tem sua composição patenteada, e demonstrou a sua eficácia em estudos clínicos em humanos. Descrição O colágeno é uma proteína fibrosa presente na pele, tendões, ossos, dentes, vasos sangüíneos, intestinos e cartilagens, correspondendo a 30% da proteína total e a 6% em peso do corpo humano. Também é encontrada em diversos tecidos de animais. UC-II® é um colágeno do tipo II, não-desnaturado, derivado da cartil…

PROCAÍNA,A SENSAÇÃO CONTRA VELHICE

Um novo tratamento contra o envelhecimento está se tornando uma sensação no Brasil. Embora sua aplicação com essa finalidade não seja tão recente, a procaína benzóica estabilizada ganhou força na mídia, e hoje já é utilizada principalmente pelas classes sociais mais abastadas. Além de retardar o envelhecimento, o GH3, nome comercial da procaína, promete equilíbrio nos sistemas corporais, melhora na circulação sangüínea e combate à depressão. O geriatra e ortomolecular Eduardo Gomes e Azevedo trabalha com o GH3 há 27 anos, sendo inclusive usuário do medicamento. Ele alertou que o medicamento não faz milagres, apenas tem eficácia se utilizado num tratamento multidisciplinar. Azevedo contou que, no GH3, a procaína é somada ao metabissulfito de potássio, fosfato bissódico e ácido benzóico, diferente da procaína utilizada como anestésico. "Quando no organismo, a procaína benzóica se metaboliza, transformando-se no ácido para-amino-benzóico e no dietil-etanol-amino. Esses elementos são …