Pular para o conteúdo principal

RITMO DE INSPIRAÇÃO AFRICANA AJUDA A QUEIMAR 600 CALORIAS EM UMA SÓ AULA

Movimentos do twerk concentram na região dos quadris, dos glúteos e em posições de agachamento (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A. Press)
Ritmo de inspiração africana ajuda a queimar 600 calorias em uma só aula

Dança convida à liberdade, empodera, traz benefícios cardiorrespiratórios e, além de tudo, é divertida
Estilo de dança africana que ficou mais conhecido nos Estados Unidos, o twerk se assemelha ao funk. Os movimentos se concentram na região dos quadris, dos glúteos e em posições de agachamento. O ritmo começou a ganhar fama em 2013, após a atriz e cantora norte-americana Miley Cyrus lançar o videoclipe da música We Can’t Stop. Milhares de pessoas a viram dançar e começaram a se interessar pelo novo ritmo.

Com duração de 50 minutos, a aula de twerk tem o poder de queimar 600 calorias. A classificação indicativa é a partir dos 18 anos. Qualquer pessoa que conseguir desempenhar os movimentos dos quadris e glúteos pode participar. “Já dei aulas para mulheres de 65 anos e elas se adaptam. Adoram as aulas”, conta a professora Verônica Zanardes, que há três anos ensina a nova dança.

As vantagens não se limitam à queima de gordura. Além de melhorar o condicionamento físico, as mulheres que praticam essa modalidade tornam-se mais seguras de si, confiantes e charmosas. “Minhas alunas relatam que passaram a se enxergar como mulher na sociedade, a ter o respeito com o próprio corpo, com suas escolhas, e aprenderam a explorar o lado sensual”, explica Verônica.

As aulas começam com uma roda de conversa sobre sentimentos, sensualidade da dança, corpo feminino. Logo depois é feito um breve silêncio, com o foco na concentração e na respiração, para que o corpo fique relaxado e pronto para entrar no ritmo. É a preparação para os movimentos precisos do twerk. O objetivo, segundo Verônica, “é deixar as alunas bem à vontade para se divertirem e explorarem todos esses assuntos na prática”.

Em seguida, o aquecimento toma conta do espaço. Músicas atuais e divertidas são parte do repertório do alongamento. Depois, vem a técnica do twerk acompanhada de coreografias, que concentram os movimentos nos glúteos e quadris. Ao final, volta a técnica de respiração, para que as alunas sintam a experiência da aula.

A estudante Natália Gomes, 22 anos, pratica há quase um mês e já percebe diferenças. “Meu condicionamento físico ficou melhor, e sinto-me mais empoderada com essa modalidade. A força, a feminilidade e a sensualidade usadas nos movimentos nos ensinam a sermos nós mesmas”, diz Natália. “Hoje, tenho consciência e sintonia com meu corpo e vejo que a confiança nos torna mais fortes e capacitadas para tomarmos decisões, em qualquer âmbito de nossas vidas.”

Convívio em grupo

Pós-doutora em dança, Alice Medina afirma que o ritmo proporciona benefícios cardiorrespiratórios, fisiológicos e anatômicos. As vantagens vão além. O twerk promove bem-estar e satisfação, devido ao ambiente descontraído e alegre em que as aulas acontecem, e fortalece as relações sociais, com o convívio em grupo. A dança, segundo a especialista, permite ao dançarino demonstrar suas emoções. É uma atividade física que traz benefícios sociais, culturais e autonomia sobre o próprio corpo.

(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A. Press)
  Para Deborah Von, 25 anos, socióloga e professora de dança do ventre, a dança é sinônimo de superação, diversão e sensualidade. Praticante do twerk há 8 meses, ela reconhece que o ritmo tonifica e fortalece os membros inferiores. “A dança me empodera. Perdi o medo de ser julgada pelo meu jeito. Sou livre e não me importo se, para alguns, sou ousada demais. Hoje sou mais segura e madura.” 

Deborah sempre recomenda o twerk quando lhe pedem uma opinião sobre dança. “Indico para todos, independentemente de idade, forma física, orientação sexual. Dançar é fenomenal. A dança faz bem fisicamente, emocionalmente e espiritualmente. O twerk, especificamente, empodera e deixa as pessoas mais confiantes”, assegura.

Especialista em treinamento e reabilitação funcional, a fisioterapeuta Giovanna Razzolini alerta sobre os cuidados que a dança exige. O twerk possui muitos movimentos nas regiões lombar, pélvica e principalmente nos quadris. O ideal, segundo ela, é que se inicie sempre com movimentos menores e mais lentos, preparando o corpo para as atividades mais intensas.

Vantagens de sobra

Autoconfiança
Condicionamento físico e cardiorrespiratório
Alongamento
Definição muscular
Fortalecimento dos músculos
Flexibilidade
Coordenação motora
Empoderamento

Saiba mais... Provocação

A expressão twerk começou a ganhar espaço nos anos 1990, com aparições nas letras do rap e hip-hop americanos. O termo significava a dança sexy e provocante que as strippers faziam em troca de gorjetas - ou seja, um truque (trick) das dançarinas no trabalho (work). A cantora Beyoncé chegou a citá-la na letra da música Check On It, mas o sucesso aconteceu mesmo a partir de Miley Cyrus.  

Fonte:https://www.uai.com.br/app/noticia/saude/2018/01/07/noticias-saude,219485/ritmo-de-inspiracao-africana-ajuda-a-queimar-600-calorias-em-uma-so-au.shtml

Postagens mais visitadas deste blog

LUTEÍNA COMBATE MANCHAS E FOTOENVELHECIMENTO DA PELE

A luteína - antioxidante natural que reduz os efeitos dos radicais livres - proporciona um efeito fotoprotetor contra a radiação solar e artificial, além de aumentar significativamente a hidratação e a elasticidade da peleFoto: Shutterstock
Luteína combate manchas e fotoenvelhecimento da pele
Estudos já comprovaram que a luz emitida por computadores, televisores e lâmpadas fluorescentes pode causar manchas na pele, assim como os raios ultravioleta (UVA e UVB). Mas, o que pouca gente sabe é que a luteína - antioxidante natural que reduz os efeitos dos radicais livres - pode proporcionar um efeito fotoprotetor contra todas essas radiações, além de aumentar significativamente a hidratação e a elasticidade da pele. Os benefícios desse ativo para a cútis começaram a ser valorizados há cerca de cinco anos quando a revista científica americana Skin Pharmacology and Physiology divulgou um estudo que apontou a luteína como uma poderosa arma antioxidante contra o fotoenvelhecimento cutâneo, causad…

UC-II - COLÁGENO NÃO DESNATURADO,O QUE É ? - FANTÁSTICO SUPLEMENTO DERIVADO DA CARTILAGEM DO FRANGO

UC-II COLAGENO NÃO DESNATURADO DUAS VEZES MAIS ATIVO DO QUE CONDROITINA + GLUCOSAMINA A cartilagem é um dos tecidos conjuntivos primários do corpo, proporcionando flexibilidade e suporte para as articulações ósseas. O colageno tipo II não desnaturado, é a principal proteína estrutural na cartilagem que é responsável pela sua resistência à tração e firmeza. Derivado de cartilagem de frango, UC-II® consiste em colágeno tipo II não desnaturado que age juntamente com o sistema imunológico para manter as articulações saudáveis e promover a mobilidade e flexibilidade das articulações. UC-II® tem sua composição patenteada, e demonstrou a sua eficácia em estudos clínicos em humanos. Descrição O colágeno é uma proteína fibrosa presente na pele, tendões, ossos, dentes, vasos sangüíneos, intestinos e cartilagens, correspondendo a 30% da proteína total e a 6% em peso do corpo humano. Também é encontrada em diversos tecidos de animais. UC-II® é um colágeno do tipo II, não-desnaturado, derivado da cartil…

PROCAÍNA,A SENSAÇÃO CONTRA VELHICE

Um novo tratamento contra o envelhecimento está se tornando uma sensação no Brasil. Embora sua aplicação com essa finalidade não seja tão recente, a procaína benzóica estabilizada ganhou força na mídia, e hoje já é utilizada principalmente pelas classes sociais mais abastadas. Além de retardar o envelhecimento, o GH3, nome comercial da procaína, promete equilíbrio nos sistemas corporais, melhora na circulação sangüínea e combate à depressão. O geriatra e ortomolecular Eduardo Gomes e Azevedo trabalha com o GH3 há 27 anos, sendo inclusive usuário do medicamento. Ele alertou que o medicamento não faz milagres, apenas tem eficácia se utilizado num tratamento multidisciplinar. Azevedo contou que, no GH3, a procaína é somada ao metabissulfito de potássio, fosfato bissódico e ácido benzóico, diferente da procaína utilizada como anestésico. "Quando no organismo, a procaína benzóica se metaboliza, transformando-se no ácido para-amino-benzóico e no dietil-etanol-amino. Esses elementos são …