Pular para o conteúdo principal

7 KETO DHEA - SEUS BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE E LONGEVIDADE, COMO TOMAR E QUAL É A DIFERENÇA COM O DHEA ?

7-keto
7-Keto DHEA – Benefícios e Como Tomar
Relacionado a benefícios como a perda de peso, diminuição de perda muscular, reforço ao sistema imunológico, melhoria do ritmo do metabolismo e redução do estresse, o 7-Keto DHEA é um sub-produto do hormônio DHEA (dehidroepiandrosterona), obtido naturalmente pelo organismo humano no cérebro e nas glândulas supra-renais.
A substância também pode ser consumida por meio da suplementação alimentar. Vamos conhecer melhor para o que ela serve, quais os efeitos colaterais que pode acarretar ao corpo humano e a maneira indicada para a sua utilização.

Principais benefícios: Perda de peso

Quando o ritmo do metabolismo aumenta, as gorduras presentes no corpo podem ser queimadas mais rapidamente, e o tão sonhado emagrecimento acontecer de maneira mais acelerada. E é justamente esse um dos efeitos causados pela suplementação alimentar com 7-Keto DHEA: o estímulo para que a ação do metabolismo ocorra de maneira mais acelerada.
Um estudo feito para verificar a ação do 7-Keto DHEA em 30 adultos saudáveis identificou que as pessoas que utilizavam a substância conseguiram eliminar maior quantidade de gordura corporal do que os que não tomaram o suplemento.
Além disso, o 7-Keto DHEA também é relacionado a benefícios como a construção dos músculos e o aumento da massa magra.

Sistema imunológico

Um estudo feito pelo The Minnesota Aplied Research Center (Centro de Pesquisa Aplicada de Minnesota, tradução livre) verificou as propriedades da substância que podem oferecer benefícios ao sistema imunológico.
Durante quatro semanas, homens e mulheres idosos consumiram 100 mg do 7-Keto DHEA duas vezes ao dia. O resultado apresentado foi a melhoria da função imunológica, do crescimento das células auxiliares imunes, assim como o aumento dos glóbulos brancos e a diminuição da pressão arterial.

Efeitos do envelhecimento

Assim como acontece com o DHEA, hormônio do qual é originado, os níveis de 7-Keto DHEA também decrescem no nosso organismo conforme o tempo vai passando e a idade vai chegando.
Um dos prejuízos que essa diminuição do DHEA traz ao corpo humano é o aumento do hormônio cortisol, que quando encontrado em taxas elevadas causa a perda de massa muscular, aumento do peso, crescimento do risco de osteoporose, decréscimo de testosterona, lapsos de memória e diminuição da libido.
O uso da suplementação com 7-Keto DHEA para combater os efeitos do envelhecimento foi testado por meio de uma pesquisa que aconteceu na República Tcheca. O estudo mostrou que o consumo de 25 mg diariamente contribuiu para a redução dos riscos de apresentar doenças cardiovasculares, além da melhoria da função cerebral.
A ação do 7-Keto DHEA também é associada a melhoria na eficiência da memória e na promoção da qualidade do desempenho sexual.

Fonte: https://www.mundoboaforma.com.br/7-keto-dhea-beneficios-efeitos-colaterais-e-como-tomar/#zxH886mpdgs6qulX.99
Qual é a diferença entre o DHEA e o 17-Keto Dhea
DHEA é um hormônio esteróide produzido principalmente no córtex adrenal, mas também pode ser sintetizado no cérebro em doses mais baixas.
Os níveis de DHEA no sangue se declinam com a idade e essa redução tem sido correlacionada a muitas das complicações associadas com o envelhecimento, tais como doenças cardiovasculares e níveis elevados de colesterol, resistência à insulina e diabetes, obesidade e neurodegeneração (“morte” dos neurônios).
Em humanos tem sido relatado que o uso de DHEA reduz a gordura corporal e o LDL (mau colesterol), melhora a memória e aprendizagem, possui efeitos neuroprotetores (proteção dos neurônios) e redução do risco de distúrbios degenerativos relacionados à idade.
Também tem sido usado para tratar câncer, esclerose múltipla, doença arterial coronariana, lupus, doença de Alzheimer, HIV / AIDS, depressão, ossintomas de TPM e osteoporose. No entanto o uso de DHEA em doses altas pode aumentar o tamanho do fígado e o risco de câncer.
Após ser produzido o DHEA pode ser convertido em alguns metabólitos, de acordo com tecido alvo e do tipo celular, sendo os principais o DHEAs7 alfa OH DHEA7 beta7 oxo-DHEAandrostenediona e androstenediol.

Uso do DHEA 

Estudos mostram que alguns dos efeitos produzidos por este hormônio são dos seus metabólitos e não propriamente do DHEA. O 7 oxo-DHEA, conhecido como 7-keto-DHEA é um dos metabólicos capazes de produzir os efeitos benéficos citados acima.
Assim, a diferença entre DHEA e 7-keto é que o DHEA será convertido inicialmente em seus metabólitos para posteriormente fazer sua ação. Já o 7-keto está na forma do metabólito que irá exercer a sua ação. Assim, a dosagem necessária de uso do 7-keto será menor do que a dosagem do DHEA, sendo um efeito protetor contra uso de doses elevadas.
Além disso, o 7-keto não é convertido em estrógenos e testosterona sendo um efeito benéfico principalmente para mulheres, já que o excesso de testosterona em mulheres causa crescimento de pêlos, queda de cabelo e espinhas.

7 keto ou DHEA: Qual o melhor?

Diante disso, fica evidente que o uso do 7 keto-DHEA é mais seguro e se mostra mais efetivo na  perda de gordura, melhora da imunidade, redução de riscos de distúrbios degenerativos, “anti-envelhacimento” entre outros quando comparado ao DHEA.
Lembre-se que somente um médico pode prescrever e orientar o uso de esteróide com base na história clinica e objetivos de cada um.
Fonte:https://equilibrioeforma.com.br/blog/qual-a-diferenca-entre-dhea-e-7-keto-dhea/

7-Keto-DHEA

Da Wikipédia, a enciclopédia livre
7-Keto-DHEA
7-Keto-DHEA.svg 
7-Keto-DHEA
7-Keto-DHEA acetate.svg 
Acetato 7-Keto-DHEA
Nomes
Nome IUPAC
(3?) -3-Hidroxiandrost-5-eno-7,17-diona
Outros nomes
7-Oxo-DHEA; 7-cetode-hidroepiandrosterona; 7-Oxode-hidroepiandrosterona; 3? -hidroxi-androst-5-eno-7,17-diona; Androst-5-en-3β-ol-7,17-dione
Identificadores
Modelo 3D ( JSmol)
ChemSpider
PubChem CID
Propriedades
C 19 H 26 O 3
Massa molar302,41 g · mol- 1
Salvo indicação em contrário, os dados são fornecidos para materiais em seu estado padrão(a 25 ° C [100 ° F], 100 kPa).
Referências de infobox
7-Ketodehydroepiandrosterone ( 7-ceto-DHEA ), também conhecido como 7-oxoprasterona , é um esteróide produzido pelo metabolismo do prohormona dehidroepiandrosterona (DHEA). [1] 7-Keto-DHEA não é diretamente convertido em testosterona ou estrogênio e, portanto, foi investigado como um parente potencialmente mais útil do DHEA. [2] [3] É frequentemente usado como o acetato pró - fármaco 7-ceto-DHEA .
Embora estudos in vitro e em animais tenham sugerido usos potenciais para a 7-ceto-DHEA em humanos, atualmente existem evidências científicas limitadas para apoiar seu uso como auxílio na perda de peso, construtor de músculos, estimulante imunológico ou para qualquer outro uso clínico. [4] Um estudo randomizado e controlado por placebo sobre dieta e exercício de indivíduos saudáveis ​​com sobrepeso encontrou que o 7-ceto-DHEA aumentou significativamente a perda de peso corporal e a perda de gordura. [5] 7-Keto-DHEA é comercializado como um suplemento dietético com a implicação de que pode acelerar a perda de peso, aumentar o metabolismo, melhorar a memória ou evitar alterações relacionadas à idade . Quando usado em um produto tópico (loção para a pele), o 7-ceto-DHEA causou mudanças duradouras nos níveis de testosterona, epitestosterona , estradiol e outros hormônios esteróides. [6] Pesquisadores levantaram a preocupação de que os suplementos podem desencadear testes positivos para drogas que melhoram o desempenho . [7] [8]
Agência Mundial Antidopagem lista o 7-ceto-DHEA como um agente anabólico proibido. [9]
7-Keto-DHEA está em desenvolvimento para o tratamento do transtorno de estresse pós-traumático (PTSD). [10]

Efeitos e usos 

7-Keto-DHEA é único entre outros derivados de DHEA devido à sua posição 7 oxigenada. Essa configuração molecular confere características diferentes à molécula, e a pesquisa revela que o 7-ceto-DHEA tem múltiplos efeitos distintos no corpo.

Aumento do metabolismo / perda de peso

7-Keto-DHEA demonstra atividade termogênica documentada em ratos. Isso é conseguido através da ativação de três enzimas termogênicas: Glicerol-3-Fosfato Desidrogenase, Malic Enzyme e Fatty Acyl CoA Oxidase. [2][11] [12] [13] De acordo com a definição biológica de termogênese, todas essas três ativações enzimáticas conduzem substratos produtores de energia em uma direção de produção de ATP menos eficiente em relação à produção de calor. As enzimas também promovem a utilização de reservas de gordura para produção de energia e calor. Esta é a base para a capacidade do 7-ceto-DHEA de aumentar a termogênese e, através desse mecanismo, acelerar a utilização de reservas de gordura para energia.
Um estudo de 2007 demonstrou que a administração de 7-ceto-DHEA a adultos com sobrepeso em conjunto com uma dieta com restrição calórica efetivamente reverte o declínio na taxa metabólica de repouso (RMR) normalmente associada à dieta. 7-Keto-DHEA demonstrou uma capacidade para aumentar a RMR em 1,4% acima dos níveis basais e demonstrou um aumento de 5,4% na TMR diária quando administrada com uma dieta com restrição calórica. [14]
7-Keto-DHEA atinge este efeito termogênico sem efeitos colaterais cardiovasculares ou do sistema nervoso central, que são comumente observados com agentes termogênicos associados a estimulantes. [3] [14]

Envelhecimento imune relacionado à idade 

Embora o processo de envelhecimento afecte todos os segmentos do sistema imunitário, os investigadores identificaram anomalias na função imunitária celular ou mediada por células T nos idosos. [15] O declínio da função imune das células T está associado a uma maior suscetibilidade a infecções. [15] Por exemplo, indivíduos com declínio na imunidade celular relacionados à idade têm uma resposta prejudicada à vacina contra influenza, tornando-os mais suscetíveis a contrair a gripe mesmo que tenham recebido a vacina contra a gripe.
Em um estudo clínico apresentado no encontro da Federação de Sociedades Americanas para Biologia Experimental em abril de 2004, o efeito da 7-ceto-DHEA foi avaliado em relação ao seu efeito na função imunológica do idoso.

Segurança 

O 7-Keto-DHEA foi objeto de uma série de avaliações toxicológicas. Estes estudos incluem: Teste de mutagenicidade AMES, dose oral aguda LD 50 em ratos, dose escalonada Gavage oral em macacos Rhesus e Gavage oral de 28 dias em macacos Rhesus. [16] [17]
Não houve efeitos adversos em nenhum desses estudos. Este trabalho pré-clínico foi seguido por um estudo de segurança da Fase I em humanos realizado por Davidson e colegas no Chicago Center for Clinical Research. [3] Este estudo foi publicado na revista Clinical Investigative Medicine e indicou que o 7-ceto-DHEA era seguro para consumo humano em doses de até 200 mg por dia durante 4 semanas. Como nos estudos toxicológicos, não houve reações adversas graves ou efeitos colaterais relacionados ao hormônio relatados.Dados sobre a segurança do uso a longo prazo (além de 4 semanas) estão faltando. [3]
Além disso, uma análise farmacocinética completa foi concluída como parte deste estudo. Esta análise farmacocinética descreve exatamente como o corpo absorve, metaboliza, distribui e excreta o 7-ceto-DHEA. Revela que o 7-ceto-DHEA é rapidamente absorvido e convertido no seu derivado sulfato, alcança as concentrações plasmáticas máximas em 2,2 horas e tem uma semi-vida de 2,17 horas e não há acumulação com dosagem repetida. [3]
Até o momento, houve duas notificações pré-mercado protocoladas com a FDA anunciando a intenção de comercializar o 7-ceto-DHEA como ingrediente dietético. Essas notificações tiveram que demonstrar à satisfação da FDA que não há problema com a segurança do ingrediente em questão. A FDA não fez objeção, em cada uma dessas notificações, ao marketing e venda do 7-keto-DHEA. [18]

Farmacocinética 

Semelhante ao DHEA, o 7-ceto-DHEA é rapidamente sulfatado no sulfato de 7-ceto-DHEA no corpo. Um método analítico foi desenvolvido para quantificação do sulfato de 7-ceto-DHEA em plasma humano. Este foi um método de HPLC, que utilizou curvas de calibração para sulfato de 7-ceto-DHEA na gama de 10 a 500 ng / ml.
Os níveis mínimos foram medidos após cada sequência de dose crescente; 0, 50, 100 e 200 mg por dia. As concentrações plasmáticas de vale aumentaram proporcionalmente à dose diária. Os níveis mínimos médios (15,8 ng / ml) após 1 semana de dosagem a 200 mg / dia foram semelhantes aos determinados após 4 semanas de dosagem (16,3 ng / ml). Isto indicou que a relação entre a taxa de formação deste metabolito e a sua depuração de eliminação é constante durante a administração múltipla e não se acumula.
Após um período de washout de doze horas, todos os 22 indivíduos receberam uma dose única de 7-ceto-DHEA a 100 mg e os níveis plasmáticos foram obtidos a 0,25, 0,50, 1,0, 2,0, 4,0, 6,0 e 12,0 horas após a dose. As concentrações médias no plasma, tal como medidas no estudo, demonstraram um pico no nível plasmático de 158 ng / ml, que ocorreu às 2,2 horas após a dose. A meia-vida de eliminação média foi determinada em 2,17 horas. Com base nos dados, o regime de dosagem de duas vezes por dia foi recomendado como o esquema de dosagem ideal com os níveis sanguíneos em estado estacionário sendo a meta.
Um modelo de um compartimento foi assumido com absorção de primeira ordem e sem fase de latência. Os resultados destas simulações utilizando este modelo farmacocinético mostraram que havia uma boa concordância entre: a) as médias simuladas e medidas dos níveis plasmáticos mínimos e b) as concentrações plasmáticas de uma dose oral única de 100 mg.
A análise farmacocinética revelou que o 7-ceto-DHEA é rapidamente absorvido e convertido no seu derivado sulfato, atinge o pico de concentração plasmática em 2,2 horas e tem uma semi-vida de 2,17 horas. Não há acumulação com dosagem repetida e, com uma administração duas vezes ao dia, deve atingir um nível plasmático em estado estacionário em 11 horas.

Química 

7-Keto-DHEA tem vários nomes químicos, incluindo:
  • 7-cetodesidroepiandrosterona (7-ceto-DHEA)
  • 7-Oxido-hidroepiandrosterona (7-oxo-DHEA)
  • 7-cetoprasterona
  • 7-oxoprasterona
  • 3β-Hidroxiandrost-5-eno-7,17-diona
  • Androst-5-en-3β-ol-7,17-dione
Para o éster de acetato:
  • 3β-acetoxiandrost-5-eno-7,17-diona
  • Acetato de 7-oxo-desidroepiandrosterona (acetato de 7-oxo-DHEA)
  • 3-Acetil-7-oxo-desidroepiandrosterona (3-acetil-7-oxo-DHEA)
  • Acetato de DHEA-7-one
  • Δ 5 -Androstene-3β-acetoxi-7,17-dione
Nota: "Keto" pode ser substituído por "oxo" nos nomes acima.

História 

Para procurar possíveis metabólitos da DHEA que possam ter maior atividade biológica, maior especificidade e menos propensão a formar hormônios sexuais, o Dr. Lardy iniciou um programa para avaliar os derivados da DHEA. A actividade de 150 destes metabolitos foi monitorizada medindo a indução de duas enzimas termogénicas, glicerol-3-fosfato desidrogenase mitocondrial e enzima mitos citosólica. Os resultados deste estudo de referência foram publicados na revista Steroids em 1998 [2] e revelaram que muitos desses esteróides não induzem a atividade dessas enzimas termogênicas, enquanto o metabolito 7-ceto-DHEA o fez. De fato, o 7-ceto-DHEA foi 2,5 vezes mais ativo que o DHEA na indução da atividade dessas enzimas termogênicas. Em trabalho posterior de Marenich, [19]descobriu-se que a excreção urinária de 7-ceto-DHEA diminui com a idade de uma maneira semelhante ao seu composto-pai, DHEA. Com base nestas vantagens descobertas, o metabolito 7-ceto-DHEA foi escolhido para um estudo adicional como ingrediente para perda de peso.

Sociedade e cultura 

7-Keto-DHEA é legal para vender nos Estados Unidos como um suplemento dietético.  Tem atualmente duas notificações de pré-mercado com o FDA. [18] As vendas comerciais de 7-ceto-DHEA como ingrediente dietético começaram em junho de 1998.

Veja também 

Referências 

  1. Jump up^ ME de Worrel; Gurkovskaya OV; Leonard ST; Lewis PB;Winsauer PJ (junho de 2011). "Efeitos da 7-ceto-dehidroepiandrosterona na ingestão voluntária de etanol em ratos machos" . Álcool 45 (4): 349-54. doi : 10.1016 / j.alcohol.2010.08.020 . PMC 3095668 Freely accessible . PMID 21051179 .
  2. Jump up to:a b c Lardy, H; Joelho N; Wei Y; Perdiz B; Marwah P (1998)."Ergosteroides II: Metabolitos Biologicamente Ativos e Derivados Sintéticos da Dehidroepiandrosterona". Esteróides 63 (3): 158-165. doi : 10.1016 / S0039-128X (97) 00159-1 . PMID9558717 .
  3. Jump up to:a b c e Davidson, M; Marwah A; Sawchuk RJ; Maki K; Marwah P; Semanas C; Lardy H (2000). "Segurança e estudo farmacocinético com doses crescentes de 3-acetil-7-oxo-desidroepiandrosterona em voluntários saudáveis ​​do sexo masculino". Clin. Investir. Med . 23 (5): 300-310. PMID11055323 .
  4. Jump up^ "7-Keto DHEA" . WebMD . Retirado em 18 de junho de 2012 .
  5. Jump up^ Kalman; Colker; Swain; Torina e Shi (2000). "Um estudo randomizado, duplo-cego, controlado por placebo de 3-Acetil-7-Oxo-Dehidroepiandrosterona em adultos saudáveis ​​com excesso de peso" . Cur Therap Res . 61 (7): 435-442.
  6. Jump up^ Sulcová J; Hampl R; Hill M; Stárka L; Novácek A (2005)."Efeitos tardios da aplicação transdérmica de curto prazo da 7-oxo-desidroepiandrosterona nos seus metabolitos, alguns esteróides hormonais e proteohormonas relevantes em voluntários saudáveis ​​do sexo masculino". Clin. Chem.Laboratório Med . 43 (2): 221-7. doi : 10.1515 / CCLM.2005.038. PMID 15843221 .
  7. Jump up^ Delbeke FT; Van Eenoo P; Van Thuyne W; Desmet N (Dezembro de 2002). "Prohormones e esporte" . J. Steroid Biochem. Mol. Biol . 83 (1–5): 245–51. doi : 10.1016 / S0960-0760 (02) 00274-1 . PMID 12650722 .
  8. Jump up^ "7-Keto DHEA". Martindale: The Complete Drug Reference .Thomson Healthcare . 10 de julho de 2011. 7-Keto-DHEA é relatado para ser um esteróide androgênico anabólico que pode estar sujeito a abuso no esporte.
  9. Jump up^ "A lista proibida do padrão internacional do código antidoping do mundo janeiro 2018" (pdf) . Agência Mundial Antidopagem .Recuperado em 21 de outubro de 2017 .
  10. Jump up^ 7-Oxoprasterona - Humanética - AdisInsight
  11. Jump up^ Bobyleva V; Joelho N; Bellei M; Battelli D; Lardy HA (junho de 1993). "Quanto ao mecanismo de aumento da termogênese em ratos tratados com dehidroepiandrosterona". J. Bioenerg.Biomembr . 25 (3): 313-21. doi : 10.1007 / BF00762592 . PMID8349575 .
  12. Jump up^ Bobyleva V; Bellei M; Joelho N; Lardy H (maio de 1997). "Os efeitos do ergosteróide 7-oxo-dehidroepiandrosterona no potencial de membrana mitocondrial: possível relação com a termogênese" . Arco. Biochem. Biofísica 341 (1): 122-8. doi : 10.1006 / abbi.1997.9955 . PMID 9143361 .
  13. Jump up^ Lardy H; Perdiz B; Joelho N; Wei Y (julho de 1995)."Ergosteroides: indução de enzimas termogênicas no fígado de ratos tratados com esteróides derivados da desidroepiandrosterona" . Proc. Natl. Acad. Sci. EUA . 92 (14): 6617-9. doi : 10.1073 / pnas.92.14.6617 . PMC 41569 Freely accessible . PMID7604042 .
  14. Jump up to:a b Zenk JL; Frestedt JL; Kuskowski MA (setembro de 2007)."HUM5007, uma nova combinação de compostos termogênicos, e 3-acetil-7-oxo-desidroepiandrosterona: cada um aumenta a taxa metabólica de repouso de adultos com excesso de peso" . J. Nutr. Biochem . 18 (9): 629-34. doi : 10.1016 / j.jnutbio.2006.11.008 . PMID 17418559 .
  15. Jump up to:um b castelo SC (agosto de 2000). "Relevância clínica da disfunção imune relacionada à idade" . Clin. Infectar. Dis . 31(2): 578-85. doi : 10.1086 / 313947 . PMID 10987724 .
  16. Jump up^ Lardy H; Henwood SM; Semanas CE (janeiro de 1999). "Estudo por gavagem oral aguda de 3beta-acetoxiandrost-5-eno-7,17-diona (7-oxo-DHEA-acetato) em ratos" . Biochem. BiofísicaRes. Commun . 254 (1): 120-3. doi : 10.1006 / bbrc.1998.9907 .PMID 9920743 .
  17. Jump up^ Henwood SM; Semanas CE; Lardy H (janeiro de 1999). "Um estudo por sonda oral de escalada de dose de 3beta-acetoxiandrost-5-eno-7, 17-diona (7-oxo-DHEA-acetato) em macacos rhesus" . Biochem. Biofísica Res. Commun . 254 (1): 124-6. doi : 10.1006 / bbrc.1998.9908 . PMID 9920744 .
  18. Jump up to:a b Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA."95S-0316: Notificações de Pré-Mercado de 75 Dias para Novos Ingredientes Dietéticos" . Recuperado em 1 de abril de 2012 .
  19. Jump up^ Marenich LP (1979). "[Excreção de testosterona, epitestosterona, androstenediona e 7-cetodesidroepiandrostenediona em homens saudáveis ​​de diferentes idades]". Probl Endokrinol (Mosk) (em russo). 25 (4): 28-31. PMID 157483 .

Postagens mais visitadas deste blog

LUTEÍNA COMBATE MANCHAS E FOTOENVELHECIMENTO DA PELE

A luteína - antioxidante natural que reduz os efeitos dos radicais livres - proporciona um efeito fotoprotetor contra a radiação solar e artificial, além de aumentar significativamente a hidratação e a elasticidade da peleFoto: Shutterstock
Luteína combate manchas e fotoenvelhecimento da pele
Estudos já comprovaram que a luz emitida por computadores, televisores e lâmpadas fluorescentes pode causar manchas na pele, assim como os raios ultravioleta (UVA e UVB). Mas, o que pouca gente sabe é que a luteína - antioxidante natural que reduz os efeitos dos radicais livres - pode proporcionar um efeito fotoprotetor contra todas essas radiações, além de aumentar significativamente a hidratação e a elasticidade da pele. Os benefícios desse ativo para a cútis começaram a ser valorizados há cerca de cinco anos quando a revista científica americana Skin Pharmacology and Physiology divulgou um estudo que apontou a luteína como uma poderosa arma antioxidante contra o fotoenvelhecimento cutâneo, causad…

UC-II - COLÁGENO NÃO DESNATURADO,O QUE É ? - FANTÁSTICO SUPLEMENTO DERIVADO DA CARTILAGEM DO FRANGO

UC-II COLAGENO NÃO DESNATURADO DUAS VEZES MAIS ATIVO DO QUE CONDROITINA + GLUCOSAMINA A cartilagem é um dos tecidos conjuntivos primários do corpo, proporcionando flexibilidade e suporte para as articulações ósseas. O colageno tipo II não desnaturado, é a principal proteína estrutural na cartilagem que é responsável pela sua resistência à tração e firmeza. Derivado de cartilagem de frango, UC-II® consiste em colágeno tipo II não desnaturado que age juntamente com o sistema imunológico para manter as articulações saudáveis e promover a mobilidade e flexibilidade das articulações. UC-II® tem sua composição patenteada, e demonstrou a sua eficácia em estudos clínicos em humanos. Descrição O colágeno é uma proteína fibrosa presente na pele, tendões, ossos, dentes, vasos sangüíneos, intestinos e cartilagens, correspondendo a 30% da proteína total e a 6% em peso do corpo humano. Também é encontrada em diversos tecidos de animais. UC-II® é um colágeno do tipo II, não-desnaturado, derivado da cartil…

PROCAÍNA,A SENSAÇÃO CONTRA VELHICE

Um novo tratamento contra o envelhecimento está se tornando uma sensação no Brasil. Embora sua aplicação com essa finalidade não seja tão recente, a procaína benzóica estabilizada ganhou força na mídia, e hoje já é utilizada principalmente pelas classes sociais mais abastadas. Além de retardar o envelhecimento, o GH3, nome comercial da procaína, promete equilíbrio nos sistemas corporais, melhora na circulação sangüínea e combate à depressão. O geriatra e ortomolecular Eduardo Gomes e Azevedo trabalha com o GH3 há 27 anos, sendo inclusive usuário do medicamento. Ele alertou que o medicamento não faz milagres, apenas tem eficácia se utilizado num tratamento multidisciplinar. Azevedo contou que, no GH3, a procaína é somada ao metabissulfito de potássio, fosfato bissódico e ácido benzóico, diferente da procaína utilizada como anestésico. "Quando no organismo, a procaína benzóica se metaboliza, transformando-se no ácido para-amino-benzóico e no dietil-etanol-amino. Esses elementos são …