Pular para o conteúdo principal

SER VEGETARIANO : A SAÚDE E O AMBIENTE COMBINAM

577733

Ser vegetariano: a saúde e o ambiente combinam

Dietas mais saudáveis e ambientalmente sustentáveis podem ser o segredo para uma menor pegada de carbono e, quem sabe, viver mais tempo.
Sabia que há uma forma eficaz de reduzir a pegada de carbono no planeta? Tornar-se vegetariano. Um estudo vem mostrar que um regime alimentar baseado em alimentos de origem vegetal, além de revelar-se mais saudável, pode ser um regime mais sustentável reduzindo drasticamente a pegada de carbono. A análise do estudo é avançada pelo jornal britânico The Independent.
A investigação pertence a Marco Springmann, da Universidade de Oxford, e vem mostrar que um regime alimentar vegetariano pode reduzir as emissões dos alimentos em dois terços e salvar milhões de vidas – se as cerca de sete mil milhões de pessoas no mundo se tornassem vegetarianas era isso que aconteceria, calcula o investigador.
Cortar as carnes vermelhas, comer mais fruta e vegetais não se trata apenas de uma opção saudável. A carne, aliás, é uma das grandes preocupações ambientais e o corte no consumo é um dos grandes motores da mudança climática.
O estudo revela que uma dieta à base de vegetais e derivados, que vai igualmente ao encontro das directrizes da Organização Mundial de Saúde, pode evitar entre cinco a oito milhões de mortes por ano, até 2050. Estes números são equivalentes a uma redução de 6% a 10% na taxa de mortalidade mundial.
Outra questão está directamente relacionada com a pegada de carbono. A agro-pecuária, a produção de alimentos processados e o transporte desses produtos são maioritariamente movidos pela queima de combustíveis fósseis que, por sua vez, se transformam em gases de efeito de estufa que armazenam o calor na atmosfera. Os cientistas medem esse impacto em pegadas de carbono, expressas pelo volume de dióxido de carbono (CO2) produzido a cada 100 gramas de alimento. Estas emissões de gases com efeito de estufa, com a adopção de um regime vegetariano, também seriam reduzidas em mais de dois terços.
Contudo, as previsões não ditam um cenário risonho. Estima-se que menos de um terço das 105 populações incluídas neste estudo irá seguir o plano dietético recomendado. Isto significa que a população mundial em crescimento e a comer cada vez pior se vai traduzir num orçamento muito elevado a ser investido na redução do aquecimento global, que poderia ser minorada pelo referido vegetarianismo.
Springmann e a restante equipa de investigadores querem evitar a todo o custo as repercussões negativas dos maus hábitos alimentares desprovidos de consciência ambiental. Para tal construíram quatro tipos de dieta para mostrar os impactos ambientais e na saúde. São elas: uma dieta baseada em projecções dietéticas de 2050; uma dieta em directrizes globais com mínimos de frutas e legumes e limites para carnes vermelhas, açúcar e calorias; uma dieta ovolactovegetariana e uma dieta vegan.
Se a adopção de uma dieta com directrizes dietéticas globais pode evitar cerca de cinco milhões de mortes, as dietas vegetarianas e vegan aumentam esse número para sete a oito milhões de mortes que poderiam ser evitadas.
Os investigadores dizem ainda que se as mudanças forem aplicadas haverá mais vantagens na saúde das populações de países desenvolvidos, visto que a sua dieta é, por norma, mais desequilibrada deixando margem para melhores resultados.
Assim, se toda a população mundial se tornasse vegetariana o corte nas emissões de gases efeito de estufa seria de 63%, reduzindo a pegada de carbono. Se e, vez de vegetarianas, as pessoas se tornassem todas vegan essa redução subia para os 70%.
Fonte: Público  Life&Style
Foto: Rui Gaudêncio
577733


Postagens mais visitadas deste blog

LUTEÍNA COMBATE MANCHAS E FOTOENVELHECIMENTO DA PELE

A luteína - antioxidante natural que reduz os efeitos dos radicais livres - proporciona um efeito fotoprotetor contra a radiação solar e artificial, além de aumentar significativamente a hidratação e a elasticidade da peleFoto: Shutterstock
Luteína combate manchas e fotoenvelhecimento da pele
Estudos já comprovaram que a luz emitida por computadores, televisores e lâmpadas fluorescentes pode causar manchas na pele, assim como os raios ultravioleta (UVA e UVB). Mas, o que pouca gente sabe é que a luteína - antioxidante natural que reduz os efeitos dos radicais livres - pode proporcionar um efeito fotoprotetor contra todas essas radiações, além de aumentar significativamente a hidratação e a elasticidade da pele. Os benefícios desse ativo para a cútis começaram a ser valorizados há cerca de cinco anos quando a revista científica americana Skin Pharmacology and Physiology divulgou um estudo que apontou a luteína como uma poderosa arma antioxidante contra o fotoenvelhecimento cutâneo, causad…

UC-II - COLÁGENO NÃO DESNATURADO,O QUE É ? - FANTÁSTICO SUPLEMENTO DERIVADO DA CARTILAGEM DO FRANGO

UC-II COLAGENO NÃO DESNATURADO DUAS VEZES MAIS ATIVO DO QUE CONDROITINA + GLUCOSAMINA A cartilagem é um dos tecidos conjuntivos primários do corpo, proporcionando flexibilidade e suporte para as articulações ósseas. O colageno tipo II não desnaturado, é a principal proteína estrutural na cartilagem que é responsável pela sua resistência à tração e firmeza. Derivado de cartilagem de frango, UC-II® consiste em colágeno tipo II não desnaturado que age juntamente com o sistema imunológico para manter as articulações saudáveis e promover a mobilidade e flexibilidade das articulações. UC-II® tem sua composição patenteada, e demonstrou a sua eficácia em estudos clínicos em humanos. Descrição O colágeno é uma proteína fibrosa presente na pele, tendões, ossos, dentes, vasos sangüíneos, intestinos e cartilagens, correspondendo a 30% da proteína total e a 6% em peso do corpo humano. Também é encontrada em diversos tecidos de animais. UC-II® é um colágeno do tipo II, não-desnaturado, derivado da cartil…

PROCAÍNA,A SENSAÇÃO CONTRA VELHICE

Um novo tratamento contra o envelhecimento está se tornando uma sensação no Brasil. Embora sua aplicação com essa finalidade não seja tão recente, a procaína benzóica estabilizada ganhou força na mídia, e hoje já é utilizada principalmente pelas classes sociais mais abastadas. Além de retardar o envelhecimento, o GH3, nome comercial da procaína, promete equilíbrio nos sistemas corporais, melhora na circulação sangüínea e combate à depressão. O geriatra e ortomolecular Eduardo Gomes e Azevedo trabalha com o GH3 há 27 anos, sendo inclusive usuário do medicamento. Ele alertou que o medicamento não faz milagres, apenas tem eficácia se utilizado num tratamento multidisciplinar. Azevedo contou que, no GH3, a procaína é somada ao metabissulfito de potássio, fosfato bissódico e ácido benzóico, diferente da procaína utilizada como anestésico. "Quando no organismo, a procaína benzóica se metaboliza, transformando-se no ácido para-amino-benzóico e no dietil-etanol-amino. Esses elementos são …